Leitura ativa e o melhor aproveitamento do tempo – Curso Vetor

Leitura ativa e o melhor aproveitamento do tempo

Toda jornada tem um primeiro passo. Com o vestibular isso não seria diferente. Não é tão simples se preparar para uma prova como o ENEM, que traz resultados de impacto na vida daqueles que a realizam.

Quem é atento já percebeu que a preparação exige técnica, método e responsabilidade. 

O Sistema Vetor vem te ajudar a responder as questões:

  • Como começar a estudar “do zero”? 
  • O que preciso priorizar? 
  • Qual a melhor técnica de estudo?
  • Existe uma forma mais eficiente de estudar?

OS DIFERENTES RITMOS DE ESTUDO

Cada vestibulando traz a sua história. Alguns acabaram de concluir o ensino médio, outros ainda estão cursando. Temos também aqueles que estão voltando a estudar ou que já estão na luta, realizando a segunda ou terceira tentativa.

Independente do perfil, cada novo ciclo deve vir acompanhado de uma renovação de hábitos e práticas

O ensino médio ofereceu tipos de desafios que foram superados com as soluções e esforços ligados àquele período. Novos desafios virão, bem como, quem já vem na luta, pode aproveitar o novo ciclo para rever procedimentos e hábitos.

Então, “como começar a estudar” é uma pergunta que deve ser respondida, pensando em cada caso, cada especificidade, cada possibilidade. 

Sempre que possível, tenha um professor que te ajude a se organizar e planejar seus estudos.

COMO APROVEITAR MELHOR MEU TEMPO DE ESTUDO?

Antes de começar a buscar os assuntos que mais caem, é importante que se faça uma reflexão sobre o próprio ato da leitura. Estudar não é um gesto mecânico, nem passivo. Estudar é interagir e não receber informações.

No caso do pré-vestibular, este entendimento é de suma importância. Mesmo se tratando de questões de múltipla escolha, com uma resposta correta única, o acerto virá da interpretação do comando da prova.

O ENEM é um exame que exige total atenção daquele que o realiza. Às vezes, em uma palavra está a orientação para a interpretação exata da questão. 

Para não correr riscos, o treino da leitura ativa deve ocorrer desde a época dos estudos no ensino médio.

Quem simplesmente passeia os olhos pelas linhas da apostila não necessariamente está absorvendo o conteúdo. O mesmo acontece, quando se limita a simplesmente ouvir o que se diz na hora da aula.

É comum sair da sala de aula com a sensação de se ter aprendido tudo e ao chegar em casa, tudo se perder da mente. Isso acontece, porque na sala de aula existe a uma sensação forte de plenitude, pois o professor desencadeou uma série de reflexões nas quais ele foi estabelecendo sentido. Com isso, o cérebro entra em uma zona de conforto, dando a sensação de que tudo faz o maior sentido do mundo.

O mesmo pode acontecer quando a leitura é um simples passar de olhos pelas páginas do livro ou da apostila. Naquele texto, tudo faz sentido, a mente desliza pelas ideias, enquanto existe a percepção gostosa de se estar entendendo tudo. 

Para eliminar a sensação de que “esquecemos tudo”, ao fim da aula, é preciso pensar que, na sala de aula, se apresentam as ideias, se organizam reflexões, mas conhecimento é cada cabeça que pode produzir. 

Cada aluno ou aluna tem seu cérebro funcionando à sua maneira e, por isso, deve procurar mecanismos ativos de leitura ou uma rotina onde ele seja o protagonista, assim, conseguindo trabalhar de uma forma onde seu cérebro crie, ao invés de só copiar.

ENTENDENDO MECANISMOS ATIVOS

Não é possível abordar todas as questões técnicas ligadas ao tema aqui neste espaço, entretanto, pode-se discutir um ponto principal: mecanismos ativos de leitura e estudos podem ser estimulados quando estabelecemos o real propósito do que se planeja. Nesse caso, é importante repensar as estratégias de estudo, pois muito tempo estudando não ajuda em nada, se este tempo tiver como propósito, a simples leitura. Nesse caso, seria como se o objetivo não fosse dirigir para se chegar a algum lugar, mas ficar dando voltas no quarteirão. 

Estudar com propósito é usar o livro como um meio, uma ferramenta e sempre estar em diálogo. Parece lento, mas a cada parágrafo, deve-se fazer a pergunta: “o que se aprendeu com essa leitura?”. 

Cada parágrafo lido pode ser reinventado na cabeça do leitor, pode ser mudado nas palavras mentalmente; com pequenos resumos mentais; imaginando aquilo sendo repetido em voz alta.

Não importa como, desde que o seu cérebro “reinvente” a forma do que está sendo lido. Assim, o ato de ler deixa de ser um mero ato de receber palavras novas e passa a ser um agente de produção de ideias.

PRÉ-VESTIBULAR. TRABALHO DURO PARA A REALIZAÇÃO DE UM SONHO

Vestibulando, está na hora de focar, dar aquela dose extra de esforço, seguir as orientações dos professores e começar a batalha. 

A rotina vai trazer alegrias, amigos e aprendizados. Entre um pouco de cansaço, esperança e alguns momentos de questionamentos, vai-se compreendendo, que o vestibular veio mudando vidas, nos hábitos e na forma de ver o mundo. 

É hora de aproveitar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *